Conselheiro questiona insistência em instalar PCHs no rio Cuiabá

Data:

Compartilhar:

Conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE-MT), Sérgio Ricardo, afirmou que o órgão irá entrar na discussão sobre a possibilidade de autorização para instalação de usinas hidrelétricas (UHE) e Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) no rio Cuiabá.  

 

Segundo o conselheiro, a Comissão Permanente de Meio Ambiente da Corte de Contas irá questionar a modalidade de geração de energia. “Por que das usinas e não energia solar? Nós temos uma política de energia solar no país e vem se alastrando muito hoje em dia”, afirmou Sérgio Ricardo, na quinta-feira (11), durante a abertura do Seminário “Eficácia das Decisões dos Tribunais de Contas”.  


Sérgio Ricardo defende a participação do TCE, já que possíveis PCHs no rio Cuiabá poderão ter um impacto ambiental e social na região, incluindo o Pantanal mato-grossense.  

 

“Por que energia hidrelétrica, que afeta profundamente um curso d’água, em um rio importante, alimentador do Pantanal, ao invés de usina de energia solar que é em terra firme?”, questiona.  

 

“Então são discussões que nós iremos fazer e com muito aprofundamento e com muita, muito cuidado muita responsabilidade”, completou.  

 

Recentemente, o Supremo Tribunal Federal (STF) tornou inconstitucional a lei estadual que proibia a instalação de usinas e PCHs no rio Cuiabá.  Com isso, caberá à secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) a decisão de autorizar ou não tais empreendimentos.  

 

Em abril, a Sema criou uma Comissão de Análise do Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental -EIA/RIMA) para analisar 6 projetos de PCHs da empresa Maturati Participações S.A.  

 

“Considerando que para o Licenciamento Ambiental do Complexo de PCHs no Rio Cuiabá, sendo: Guapira II, Tratambé I, Tratambé II, Angatu I, Angatu II, Perudá, há necessidade da elaboração e apresentação de EIA/RIMA, conforme estabelece art. 24 do Código Ambiental do Estado, Lei Complementar nº 38/1995; considerando que o EIA/RIMA apresentado pela Maturati Participações S.A., foi elaborado por equipe multidisciplinar, conforme estabelece o art. 23, º 2′ da Lei Complementar nº 38/95; considerando que a exemplo de sua elaboração para a análise do EIA/RIMA, por parte da SEMA, há necessidade de formação de equipe multidisciplinar, diz trecho da portaria.  

 

A equipe multidisciplinar é composta por 8 servidores da Sema, sendo coordenada pelo engenheiro agrônomo Jerônimo Couto Campos. O grupo tem um ano para emitir Parecer Técnico referente aos estudos realizados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Notícias relacionadas

Homem leva facada no peito e morre ao tentar separar briga de casal no interior

Ana Júlia Pereira/GDDiones Oliveira da Silva, 27, morreu ao tentar separar uma briga de casal no bairro Bordas...

BEBÊ DE 1 ANO QUE ESTAVA NA CASA ABRIGO DA CRIANÇA SOFRE PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E MORRE

Repórter: Larissa FerreiraImagens: Geovane Costa https://www.youtube.com/watch?v=JphIHB9Igyw

Veja o Vídeo: PREFEITO MANINHO DA POSSE A 48 NOVOS SERVIDORES ATRAVÉS DO CONCURSO PÚBLICO

A solenidade de posse de 48 servidores aprovados no concurso público realizado pela prefeitura municipal de Colíder, foi...

veja o vídeo: SINDICATO RURAL DE COLÍDER REALIZA O LANÇAMENTO DO SHOW RURAL 2024

As palestras já estão definidas e trarão nomes conhecidos no agronegócio para engrandecer ainda mais o evento, que...