Silval admite oferecer secretaria para atrair PP

Data:

Compartilhar:

O vice-governador Silval Barbosa (PMDB) afirmou, na tarde desta quarta-feira (17), que está confiante na entrada do Partido Progressista em seu arco de aliança para as eleições deste ano. O peemedebista, que assume o Governo daqui a 42 dias e disputará a reeleição, disse que admite negociar mais espaço na gestão com o PP.

"É questão de sentarmos e ver o que pode ser feito, qual o interesse do PP e qual espaço há disponível. Mas é claro que os partidos aliados continuarão ajudando a governar, e o PP pode receber mais uma secretaria", disse. Atualmente, o PP ocupa duas secretarias no Governo, a de Ciência e Tecnologia e de Turismo.

O vice-governador também afirmou que a definição do PP dará mais "musculatura" ao seu projeto. "Na hora em que a sigla declarar apoio à minha candidatura, ganharei mais força, mais musculatura, pois, além de ter lideranças fortes, o PP também está muito bem estruturado em todo o Estado", afirmou.

Silval disse também que "está lutando muito" para ter o PP na sua base. "O diálogo está fluindo muito bem, as coisas estão avançando. O partido já vem ajudando muito o Governo Blairo e quero muito tê-lo na minha gestão", salientou.

O vice-governador ressaltou que o fato de estar no Governo terá pontos positivos e negativos. "Vou ter que conciliar as coisas em pouco tempo, pois vou ser governador e candidato. Por outro lado, a visibilidade do cargo ajuda no contato com a população", disse.

Sobre o assunto, o deputado Riva reiterou que o partido se reúne no próximo dia 1º de março para deliberar. "Eu tenho uma simpatia pessoal pelo Jaime Campos (DEM), mas não sei se ele é candidato… Há, é claro, viabilidade de apoiarmos o Silval, mas isso será mais fácil se o Jaime não for candidato", afirmou.

Diálogo com partidos

O vice-governador afirmou que vem mantendo um ritmo intenso de articulações com outros partidos. "Estou conversando com praticamente todos os partidos, inclusive, com o DEM. Já estive com o senador Jaime Campos e com o ex-governador Júlio Campos. É claro que existe a questão nacional com o PSDB, que eles têm que respeitar, mas, nem por isso, vamos deixar de conversar", afirmou

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

PROPOSITURAS

Notícias relacionadas