Frentista que matou ex permanece preso e será julgado pelo Tribunal do Júri

Data:

Compartilhar:

Vinicius Mendes/GD

Juiz da 1ª Vara Especializada de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, Jamilson Haddad Campos, atendeu o pedido do Ministério Público de Mato Grosso (MP) e determinou que o frentista Antônio Aluízio da Conceição Maciano seja julgado pelo tribunal do júri pelo feminicídio de Emilly Bispo Da Cruz, ocorrido em março deste ano. O magistrado negou possibilidade do réu recorrer em liberdade.

 

O MP denunciou Antônio pelo homicídio de Emilly com as qualificadoras de motivo torpe, meio cruel, recurso que impossibilitou a defesa da vítima e contra a mulher por razões da condição de sexo feminino (feminicídio).  

 

O juiz lembrou que o crime ocorreu no último dia 16 de março, por volta das 6h30, no bairro Pedra 90 em Cuiabá, na frente do filho da vítima. Emilly e Antônio tiveram um relacionamento amoroso há cerca de um ano, mas já estavam separados.  

 

“Desde o mês de dezembro do ano passado, a ofendida relatava estar se sentindo amedrontada com as atitudes do denunciado, por ele já ter lhe agredido fisicamente em outras ocasiões e lhe mantido em cárcere privado, chegando ao ponto, tempos atrás, de invadir uma residência onde ela estava, querendo feri-la”, citou o magistrado.  

 

Conforme apurado pela polícia, Antônio tinha um comportamento controlador, intimidatório e excessivamente possessivo em relação à Emilly. Ele a abordou enquanto levava seu filho de 3 anos para a creche e a esfaqueou na frente da criança, no meio da rua.  

 

“Além de estar sobejamente demonstrado que o crime doloso contra a vida foi cometido por razão da condição do sexo feminino da vítima, devido à relação íntima afetiva mantida entre os envolvidos meses atrás do evento delituoso, é forçoso também constatar que o delito foi praticado diante da presença física do próprio filho dela (que, à época, contava com apenas três anos)”.  

 

O juiz considerou que ele tomou várias atitudes para impossibilitar a defesa da vítima, como ter se aproximado dela em horário de menos movimento (logo no início da manhã), utilizou capacete, utilizou uma moto que não era sua (ou seja, que a vítima não conhecia) e a atacou enquanto estava com o filho, a quem ela tentou proteger.  

 

“A materialidade delitiva está suficientemente comprovada, diante da certidão de óbito da vítima, do laudo pericial de necropsia da vítima, demais laudos periciais, relatórios de investigação e boletim de ocorrências […] o acusado confessa a prática delitiva”, considerou o magistrado.  

 

O juiz então julgou procedente o pedido formulado pelo MP para que Antônio seja submetido a julgamento pelo Tribunal do Júri e disse que ele poderá recorrer, mas recolhido em estabelecimento prisional.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Notícias relacionadas

Homem leva facada no peito e morre ao tentar separar briga de casal no interior

Ana Júlia Pereira/GDDiones Oliveira da Silva, 27, morreu ao tentar separar uma briga de casal no bairro Bordas...

BEBÊ DE 1 ANO QUE ESTAVA NA CASA ABRIGO DA CRIANÇA SOFRE PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E MORRE

Repórter: Larissa FerreiraImagens: Geovane Costa https://www.youtube.com/watch?v=JphIHB9Igyw

Veja o Vídeo: PREFEITO MANINHO DA POSSE A 48 NOVOS SERVIDORES ATRAVÉS DO CONCURSO PÚBLICO

A solenidade de posse de 48 servidores aprovados no concurso público realizado pela prefeitura municipal de Colíder, foi...

veja o vídeo: SINDICATO RURAL DE COLÍDER REALIZA O LANÇAMENTO DO SHOW RURAL 2024

As palestras já estão definidas e trarão nomes conhecidos no agronegócio para engrandecer ainda mais o evento, que...